sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Técnicos das seleções femininas trabalham juntos



A palavra da Granja Comary nesta semana é integração: os treinadores das seleções femininas têm trabalhado lado a lado. Doriva Bueno, da Sub-20, e Luiz Antônio Ribeiro, da Sub-17, estão concentrados com a Seleção Principal, comandada por Emily Lima.
Desde que assumiu a equipe principal, Emily enfatiza a importância de ter um trabalho conjunto e integrado entre todas as categorias e é exatamente isso que ela busca trazendo seus dois companheiros de Seleção para os treinamentos.
– Acredito que a gente tenha que trabalhar unido, pois as jogadoras da Sub-17 serão as da Sub-20 no ciclo seguinte. E, as da Sub-20 servirão à Principal. A metodologia precisa ser a mesma, mas o trabalho é individual de cada treinador. É muito importante estarmos juntos – avaliou a treinadora.
O ano de 2017 não será de competições oficiais para as categorias de base, entretanto, será o período para formar a Seleção Sub-20 e Sub-17 que disputarão os Sul-Americanos e buscarão vaga para os Mundiais. Doriva e Luizão iniciaram no fim do ano passado, em Manaus (AM), a série de seletivas que farão pelo país. Em janeiro já passaram por Foz do Iguaçu (PR) e, neste fim de semana, haverá em Resende (RJ).

Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino de 2017 - Série A2

Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino de 2017 - Série A2



O Campeonato será disputado em três fases: na primeira fase os 16 clubes formarão dois grupos de oito clubes cada. Os dois primeiros de cada grupo se classificam para as semifinais; nas semifinais, os clubes se enfrentam no sistema eliminatório (“mata-mata”) classificando-se o vencedor para a final e também para a Série A1 de 2018.
  1. Primeira fase: 16 clubes distribuídos em dois grupos de oito clubes cada
  2. Segunda fase (semifinal): quatro clubes distribuídos em dois grupos de dois clubes cada
  3. Terceira fase (final): em um grupo de dois clubes, de onde sairá o campeão

Critérios de desempate

Em caso de empate de pontos entre dois clubes, os critérios de desempate serão aplicados na seguinte ordem:
  1. Número de vitórias
  2. Saldo de gols
  3. Gols marcados
  4. Número de cartões vermelhos
  5. Número de cartões amarelos
  6. Sorteio








Participantes


EquipeCidadeEstadoEstádio (mando)CapacidadeForma de Classificação
América Mineiro Belo Horizonte Minas GeraisIndependência23 01819º do Ranking da CBF
Botafogo-PB João Pessoa ParaíbaAlmeidão19 00020º do Ranking da CBF
Caucaia Caucaia CearáCampo do Uniclinic3 00010º do Ranking da CBF
Centro Olímpico São Paulo São PauloBaetão6 3159º do Ranking da CBF
CRESSPOM Brasília Distrito FederalAbadião4 00023º do Ranking da CBF
Duque de Caxias Duque de Caxias Rio de JaneiroMarrentão3 33411º do Ranking da CBF
JV Lideral Imperatriz MaranhãoWalter Lira1 20032º do Ranking da CBF
Mixto Cuiabá Mato GrossoArena Pantanal44 00021º do Ranking da CBF
Náutico Recife PernambucoArena Pernambuco44 30031º do Ranking da CBF
Pinheirense BelémPará ParáFrancisco Vasques5 76014º do Ranking da CBF
Portuguesa São Paulo São PauloCanindé21 00416º do Ranking da CBF
Tiradentes Teresina PiauíAlbertão44 20015º do Ranking da CBF
Tuna Luso BelémPará ParáFrancisco Vasques5 76022º do Ranking da CBF
União Desportiva Maceió AlagoasRei Pelé17 12630º do Ranking da CBF
Vasco da Gama Rio de Janeiro Rio de JaneiroSão Januário24 58417º do Ranking da CBF
Viana Viana MaranhãoDaniel Filho3 72513º do Ranking da CBF






Novidades do Brasileiro Feminino 2017


O Campeonato Brasileiro Feminino 2017 terá novidades. Em evento de lançamento na manhã desta terça-feira (1), na sede da CBF, no Rio de Janeiro (RJ), foram anunciadas a nova fórmula de disputa, o número de participantes, duração da competição e premiação. A principal inovação será a criação de mais uma divisão. A competição será dividida em Série A1 e Série A2, com 16 clubes cada. Sendo assim, haverá acesso e descenso. As duas equipes piores colocadas na A1 em 2017, disputarão a A2 em 2018. Consequentemente, os dois finalistas da A2 em 2017, disputarão a A1 em 2018. E assim a cada ano.
Na Série A1, o formato prevê dois grupos, de oito clubes cada, com turno e returno. Avançarão às quartas de final os quatro times melhores colocados de cada grupo. Nesta fase, serão disputados jogos de ida e volta, assim como na semifinal e na final. Portanto, as equipes que chegarem à decisão terão feito 20 partidas. Os times eliminados na primeira fase terão atuado 14 vezes.
Os participantes da competição serão definidos da seguinte forma: uma vaga será para o campeão da Copa do Brasil de Futebol Feminino 2016, o Audax/Corinthians; outra para o vencedor do Brasileirão deste ano, o Flamengo/Marinha; além de oito para os oito primeiros colocados do Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017 e seis para os seis primeiros da classificação final do Campeonato Brasileiro Masculino da Série A 2016. Se ainda houver vagas, serão preenchidas pela sequência da classificação da Série A e depois da Série B do Brasileiro Masculino 2016. Caso necessário ainda assim, o Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017 voltará a ser utilizado como critério.
A premiação prevê que o clube que se classifique para esta competição ganha 15 mil reais, quem avançar para as quartas, mais 20 mil; 30 mil para quem chegar às semis; 60 mil para o vice e 120 mil para o campeão.
Na Série A2, a fórmula será um pouco diferente. Serão dois grupos de oito clubes cada, com turno único. Chegam às semifinais as duas equipes melhores colocadas de cada grupo. Nesta fase e na final, serão confrontos de ida e volta. Assim, os times que chegarem à final terão disputado 11 jogos, enquanto os eliminados na primeira etapa terão jogado sete partidas.
Os participantes do ano de 2017 serão definidos através da sequência do Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017. Para o ano seguinte, são duas vagas para os clubes rebaixados da Série A1, uma vaga para a federação número #1 do do Ranking Nacional de Federações de Futebol Feminino 2017 e mais 13 para demais federações. Haverá uma fase preliminar para classificação para a Série A2. As 26 federações se enfrentam entre si em jogo único na sede da melhor ranqueada, em que o vencedor conquista a vaga. A definição dos confrontos será em 2017.
A premiação da competição será de 10 mil reais para quem se classificar à A2; 15 mil para os clubes que chegarem às semis; 30 mil para o vice e 50 mil para o campeão.  
INVESTIMENTO DA CBF NA COMPETIÇÃO
A CBF custeará tudo no Campeonato Brasileiro Feminino das Séries A1 e A2: passagens aéreas ou de ônibus (dependendo da distância, consultar o Regulamento Específico da Competição); hospedagem e alimentação.
Além dos valores citados acima (de premiação por classificação e avanço na competição), o clube mandante receberá R$ 10 mil por jogo para gastos com a partida, e a equipe visitante receberá R$ 5 mil reais por jogo para despesas que tiver.