terça-feira, 1 de novembro de 2016

Vadão não é mais técnico da seleção brasileira de futebol feminino


Emily Lima técnica São José futebol feminino


Vadão não é mais o técnico da seleção brasileira feminina, após dois anos. A escolha e decisão foram diretamente feitas pelo presidente CBF, que tem a ideia de seguir a tendência da Fifa e colocar um nome feminino no comando, assim como a Federação Internacional de Futebol tem feito. Por isso, Emily assume como treinadora. Outros integrantes da comissão técnica também saem junto com o técnico.
Ela comandou o São José na decisão da Copa do Brasil, que acabou sendo vencida pelo Audax. O Vadão foi comunicado através de um telefonema no final da manhã logo depois da técnica se reunir na entidade com Marco Polo del Nero. A situação já era estudada desde o final da Olimpíada, e Vadão estava "sob análise" do comandante máximo da entidade. Nesta terça, Del Nero definiu a ocupante do novo cargo tão logo acertou os detalhes com a nova comandante.
Emily, que já comandou a seleção brasileira sub-17, é a primeira treinadora a comandar o time principal feminino do Brasil. Ela será apresentada na próxima quinta-feira, na sede da CBF. A escolha coloca a seleção feminina em um novo momento de transição até mesmo em seu comando abaixo da presidência da CBF em relação ao comando do departamento da modalidade. Marco Aurélio Cunha, por exemplo, que assumiu como diretor executivo de futebol do São Paulo em setembro, ainda estuda se retorna ao posto mesmo tendo sido no início um afastamento temporário.
O primeiro desafio oficial de Emily será comandar a seleção brasileira no Torneio Internacional de Manaus. O Brasil estreia dia 7 de dezembro diante da Costa Rica. Depois terá pela frente Rússia, dia 11 de dezembro, e Itália, dia 14.

Fonte:  http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/dona-do-campinho/post/vadao-nao-e-mais-tecnico-da-selecao-brasileira-feminina.html

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Campeonato Brasileiro feminino passará a ter duas divisões a partir de 2017


A CBF promove nesta terça-feira, às 11h (de Brasília), o lançamento do Campeonato Brasileiro feminino 2017. A disputa, vencida em 2016 pelo Flamengo (foto), terá novidades. Uma delas será a criação de duas divisões (Séries A e B), ampliando a movimentação de clubes na modalidade no país. A competição ocorre desde 2013 e ainda teve como campeões o Rio Preto (2015), Ferroviária (2014) e Centro Olímpico (2013).

Fonte: http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/dona-do-campinho/post/campeonato-brasileiro-feminino-passara-ter-duas-divisoes-partir-de-2017.html


Flamengo levou o Campeonato Brasileiro feminino em 2016

Flamengo levou o Campeonato Brasileiro feminino em 2016



quarta-feira, 28 de setembro de 2016

FUTEBOL FEMININO: CAMPEONATO BRASILEIRO DE SELEÇÕES

A Associação Gaúcha de Futebol Feminino (AGFF) anunciou um plano de ações para desenvolver e fortalecer o futebol feminino do Rio Grande do Sul entre 2017 e 2018, e que provavelmente fortalecerá também o futebol feminino nacional.
O foco vai desde a formação de uma seleção gaúcha até a qualificação de categorias de base e adulto e implantação de 10 Centros de Treinamento específicos pelo Estado, o que seria algo muito interessante para o desenvolvimento da modalidade. Imagine se todos os estados tivessem algo assim?
Ainda, com a chancela da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), há intenção de criar a Copa Cone Sul de Seleções, com a participação de países vizinhos, uma iniciativa que conta com o apoio de 32 empresas investidoras para possibilitar que o projeto saia do papel e se torne realidade.
“O presidente da AGFF, Carlos Alberto de Souza, o Professor Neco, salientou o início de um ciclo de crescimento da modalidade: Estamos há dez anos trabalhando pelo futebol feminino gaúcho e agora chegou o momento de um grande crescimento, com investimentos e ações que colocarão o futebol feminino gaúcho em outro patamar” – (fonte: agff.club)
Essa é uma iniciativa muito importante para a modalidade com o apoio da Federação de Futebol do estado, o que pode vir a ser exemplo para outros estados.
Quem sabe as federações estaduais e até a Confederação Brasileira de Futebol acordem e entendam que o futebol feminino precisa de muito mais do que apenas uma seleção permanente para resolver os problemas da modalidade?

CAMPEONATO BRASILEIRO DE SELEÇÕES ESTADUAIS
Imaginem um Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais, tanto adultas quanto de base, movimentando todo o país.
Uma oportunidade valiosa para profissionais mostrarem seu trabalho e também para que meninas sejam observadas de perto tanto por outros clubes de todo Brasil, quanto por uma comissão de avaliação das Seleções Brasileiras (CBF), podendo assim diminuir os precipícios que a modalidade possui, ainda mais quando falamos de observação de atletas e oportunidades de seguir carreira na modalidade. Motivação a mais para todos e para a modalidade!
O campeonato de seleções estaduais diminuiria também os buracos existentes no calendário do futebol feminino Nacional.
Hoje muitas  equipes tem no máximo 2 a 3 jogos no ano, sendo 1 ou 2 pelo campeonato estadual e um na Copa do Brasil torcendo para não ser eliminado logo no primeiro jogo da competição.
Depois de eliminadas, resta a clubes, profissionais e jogadoras continuar a ouvir de muitos em seu círculo social que futebol feminino não as levará a lugar algum até o dia em que desistirem do futebol pela necessidade de trabalhar e ganhar dinheiro deixando o sonho (que poderia ser sua profissão) de lado e carregando consigo a frustração de não ter chegado lá.

COMPETIÇÃO NACIONAL DE SELEÇÕES AJUDARIA DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE 
Uma boa divulgação, parceria com empresas, apoio da CBF (estrutural e financeiro) seria muito interessante para o desenvolvimento do esporte além de auxiliar na quebra de preconceitos que as meninas sofrem nos seus estados, muitas vezes dentro das suas próprias casas.
Porque a grande realidade do futebol feminino no Brasil hoje é que ele dá futuro a pouquíssimas jogadoras e futuras atletas, tanto pela falta de investimento quanto pela falta de interesse das federações estaduais e pela ideia da CBF de que ela não tem nenhuma responsabilidade sobre o desenvolvimento da modalidade, sendo de sua responsabilidade cuidar única e exclusivamente das seleções (como se fosse um grande favor ao esporte e não seu dever como instituição).
Existem muitos outros problemas na modalidade, mas ações como a da  Associação Gaúcha nos dá esperança de, quem sabe um dia, ver o esporte mais desenvolvido e seus problemas sanados.
Um pensamento como este leva a necessidade de mais preparação e mais empenho no estado, tanto de profissionais quanto de atletas, pois é a oportunidade de se destacar, aparecer e ter algum reconhecimento, algo que é extremamente difícil no Brasil.
Os campeonatos estaduais ganharia mais qualidade, a formação de seleções estaduais movimentaria o calendário no estado pela necessidade de observação, convocação e treinamento, sendo uma grande oportunidade de nivelamento e lapidação destas meninas. Quem sabe até oportunidades de estudo com escolas e faculdades interessadas em oferecer bolsas para que estas meninas joguem por suas instituições de ensino. Aí já estamos falando de Desporto estudantil e universitário, algo que também precisa de muita atenção no Brasil. (Veem como uma coisa pode puxar a outra e ajudar a modalidade?)
Em nível nacional, o brasileiro de seleções poderia começar seu formato de modo regionalizado, chegando posteriormente a uma fase nacional de séries A e B, onde os melhores disputariam a próxima fase rumo à final, e as outras equipes continuariam jogando para definir ou um título simbólico ou a posição final da competição. Mais meninas jogando por mais tempo, em todo país, com um acompanhamento, observações e milhares de ideias surgindo tanto para a melhoria da fórmula da competição, quanto para sua promoção e divulgação.
Disso poderia sair uma série de combinações de competições regionais, além do brasileiro. Mais uma vez, uma ideia puxando a outra!
Esperamos que a Confederação Brasileira de Futebol veja com bons olhos a atitude a AGFF e da Federação Gaúcha de Futebol e amplie esse projeto à todos os estados, dando suporte real à modalidade e seu desenvolvimento, cobrando o papel de desenvolvimento do esporte das federações estaduais e tornando possível o crescimento da modalidade que hoje depende de eventos de quatro em quatro anos e depois volta a ser esquecido por quem assiste e por quem organiza a modalidade.
Mais mulheres em campo, mais oportunidades para a modalidade, mais interesse e motivação para atletas e profissionais, mais oportunidades de quebrar preconceitos e reformular conceitos e de mostrar que lugar de mulher é onde ela quiser e que o Brasil também é o país do futebol feminino. Basta que queiram ver acontecer!

Fonte: http://voagoleiro.proluva.com.br/noticias/futebol-feminino/futebol-feminino-campeonato-brasileiro-de-selecoes/

sábado, 24 de setembro de 2016

Em segunda chance o flamengo de maurini chega ao tri


Créditos: Gilvan de Souza / Flamengo
Campeão do Brasileiro Feminino de 2016, o Flamengo conquistou o título com a ajuda de um reforço especial: Maurine, a meia da Seleção Brasileira Permanente. Em sua segunda passagem pelo clube carioca, esta foi, na verdade, a primeira atuação completa da atleta com a camisa rubro-negra na competição.
No ano passado, a CBF promoveu o draft de jogadoras da Seleção para clubes classificados à Segunda Fase. Na ocasião, o técnico da equipe do Flamengo em parceria com a Marinha, Ricardo Abrantes, escolheu a meia como uma das novidades do elenco, ao lado da zagueira Mônica e da atacante Rafa Travalão. Porém, Maurine se lesionou na primeira partida do Flamengo e não conseguiu mais entrar em campo pelo clube ao longo do campeonato. O time da Gávea acabou eliminado da Segunda Fase, e a jogadora retornou à Seleção.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Ao menos nas arquibancadas, Mixto se destaca positivamente no futebol feminino Clube cobrou ingressos e teve público maior que o de 12 partidas do estadual masculino

O jogo entre Mixto Esporte Clube e Santos pela Copa do Brasil feminina teve um público de 277 pagantes, número superior a 12 partidas do Campeonato Mato-grossense profissional deste ano, que ao todo teve 77 confrontos.
O duelo realizado ontem na Arena Pantanal terminou com uma goleada de 11 a 0, apenas a atacante Ketlen marcou quatro vezes, enquanto que sua parceira Sole fez outros três. No entanto, nas arquibancadas, quem venceu foi o Alvinegro mato-grossense.
A partida de ida, que terminou 10 a 0 para as santistas no CT Rei Pelé, teve apenas 75 espectadores que entraram de graça, ao contrário do que aconteceu em Cuiabá. O Tigre foi ‘ousado’ ao cobrar ingressos para um jogo de clubes do futebol feminino.
Outra partida que teve ingressos pagos e estádio de Copa do Mundo, foi entre União-RN 3 x 1 Caucaia-CE, na semana passada, o embate aconteceu na Arena das Dunas e teve 194 pagantes. O Olhar Esportivo não encontrou registros de partidas desta 1ª fase da Copa do Brasil feminina que tenham atraído mais de 277 torcedores.
De acordo com reportagem publicada pelo jornal O Estado de São Paulo no último sábado (3), a grande maioria das partidas de futebol feminino envolvendo clubes no país tem entrada gratuita e, ainda assim, o número de torcedores raramente chega a uma centena.
Não foi a pior
A goleada de 11 a 0 sofrida pelo Mixto só não foi maior que os 15 a 0 que o São Francisco-BA aplicaram no Boca Júniors do Sergipe. Os 16 melhores clubes do futebol feminino brasileiro seguem na disputa da Copa do Brasil.
Por: Thiago Mattos

Fonte: http://olharesportivo.com.br/noticia/ao-menos-nas-arquibancadas-mixto-se-destaca-positivamente-no-futebol-feminino/8277

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Santos estuda a criação de categorias de base para o futebol feminino

Santos estuda a criação de categorias de base para o futebol feminino

Peixe quer ser referência na modalidade e acredita que pode formar jovens atletas. Um bom exemplo é a atacante Raquel, de 16 anos, que atua pela seleção sub-17

Por Santos, SP
Caio Couto e Sereias da Vila, Santos (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)Santos pode ter categorias de base para o futebol feminino (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos)
O Santos estuda a criação de categorias de base para o futebol feminino. A ideia partiu de uma conversa do presidente Modesto Roma com o técnico Caio Couto e o projeto seria iniciado a partir de 2017. A intenção é que as Sereias da Vila sejam referência na modalidade no país.

O Alvinegro acredita que pode formar jovens atletas desde, pelo menos, o sub-15. Um bom exemplo é a atacante Raquel, de 16 anos, uma das mais novas do atual elenco, que atua pela seleção sub-17 e mostra grande futuro.

Raquel chegou ao Santos com 15 anos, na última temporada, depois de ser artilheira da Copa TV Tribuna de Futsal Escolar em 2014, com 28 gols, pela escola João Adôrno Vassão.

Se o projeto for aprovado, o Peixe criaria uma nova comissão técnica para procurar por outros talentos e comandar os treinos no CT Meninos da Vila.
http://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/noticia/2016/09/santos-estuda-criacao-de-categorias-de-base-para-o-futebol-feminino.html

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Copa do Brasil Feminina começa com muitos gols


Créditos: Foto: divulgação / Foz Cataratas
A Copa do Brasil de Futebol Feminino começou nesta quarta-feira (24) com 13 jogos. Placares elásticos e empates marcaram as partidas de ida da primeira fase da competição. As redes balançaram 54 vezes e São José (SP) e São Francisco (BA) já se classificaram para a segunda fase. Confira como foram os confrontos: 
UDA- AL 2 x 4 Vitória-PE
Jogando fora de casa, o Vitória marcou quatro gols em cima da UDA. Os três primeiros, com Érica, Thamires e Hadrielen, aconteceram ainda na etapa inicial, com as adversárias descontando a menos de 10 minutos do intervalo. O placar seguiu 3 a 0 para o Vitória até os 37 minutos do segundo tempo, quando ampliou. Nos acréscimos, Jéssica fez o segunda da UDA. O jogo de volta acontece na próxima quarta (31), em Pernambuco.
Barcelona-RJ 1 x 0 Comercial-MS
No popular estádio da Rua Bariri, o Barcelona venceu o Comercial por um placar magro. Durante 72 minutos, entre primeiro e segundo tempos, a tabela continuava zerada, até, aos 27 da etapa final, a camisa 9 Evellen marcar o único gol da partida. As equipes voltam a enfrentar-se na quarta-feira (31), em Campo Grande (MS).
Cresspom-DF 7 x 0 Aliança-GO
Um jogo sem cartões que terminou com uma goleada do mandante. Só na etapa inicial o Cresspom balançou as redes quatro vezes. Danyelle marcou os dois primeiros e Cirlene e Driely ampliaram. Já no segundo tempo, Bruna fez o quinto e Danyelle e Cirlene voltaram a marcar para fechar o placar elástico. A classificação ficou difícil para o Aliança, mas terá, na quarta-feira (31), ainda em local a ser definido, a chance de tentar passar de fase. 
União-RN 3 x 1 Caucaia-CE
União e Caucaia também fizeram uma partida limpa. Sem cartões, o time da casa conseguiu abrir três gols de diferença, com Mirla, Marce e Kivia, mas o Caucaia diminuiu na etapa final com gol da Vanusa Keila. Mesmo tendo perdido, o time cearense ainda tem chance de classificar-se e o gol fora de casa é critério de desempate. A segunda partida será em Fortaleza, também na quarta (31).
Náutico-PE 0 x 1 Botafogo-PB
Com mais cartões amarelos (4) que gols, o Botafogo da Paraíba saiu na frente no jogo de ida. Venceu o Náutico nos Aflitos com Raiza, marcando ainda na etapa inicial, e leva vantagem para a partida de volta, diante da torcida paraibana. Este segundo encontro acontece quarta (31), em João Pessoa (PB).
Boca Junior-SE 0 x 15 São Francisco-BA
Um visitante abusado! O São Francisco não tomou conhecimento do adversário, mesmo em dependências rivais, e aplicou a maior goleada desta quarta-feira. Também foi o placar mais elástico da competição, desde 2007, ao lado apenas do Vitória-PE, que na segunda fase da edição de 2012 registrou o mesmo placar, em cima do América-RN. As jogadoras que marcaram para os baianos foram: Ellen Santana (5), Maria São Pedro (4), Jumaria, Índia, Dimenor, Faby, Maria Patrícia e Ednobrega. A partida também terminou sem punições. Com mais de três gols de diferença jogando fora de casa, o São Francisco eliminou o jogo de volta e já está classificado para segunda fase.
Estância Velha-RS 2 x 2 Chapecoense-SC
O jogo foi definido apenas no segundo tempo. Foi Karina quem abriu o placar para o time da casa, aos 15 minutos, mas nem deu tempo de comemorar. Três minutos depois Milena empatou para Chapecoense. Faltando cinco minutos para o fim do tempo normal, Tati colocou a equipe de Canoas novamente na frente do marcador, mas nos acréscimos Milena voltou a marcar e o jogo terminou empatado. A segunda partida será dia 1 de setembro, quinta-feira, em Chapecó.
Araranguá / SATC - SC 1 x 1 Foz Cataratas-PR
Muitos minutos entre os gols da partida. Logo no início, aos sete minutos, o Araranguá saiu na frente com Camila e passou quase todo o jogo vencendo, mas, aos 45 do segundo tempo, Rafinha empatou para o Foz e as catarinenses deixaram a vitória escapar. O próximo jogo será quarta (31), no Paraná.
JV Lideral-MA 2 x 2 Tiradentes-PI
Outro empate, desta vez no Maranhão. A equipe visitante saiu na frente com Lulu e Eliene. Rafaele diminui para os donos da casa ainda na etapa inicial e nos acréscimos do segundo tempo deixou tudo igual. Del foi expulsa depois do encerramento da partida, por, segundo a súmula, protestar contra arbitragem. Foi o único cartão vermelho do dia e o jogo com mais punições. As meninas voltam a enfrentar-se no Piauí, quarta (31).
São Raimundo-RR 0 x 1 Iranduba-AM
Com tantos gols nos outros jogos, a partida em Roraima foi outra com placar modesto, mas importante para o Iranduba, que, com Laura, marcou o único tento no estádio Roberto Marinho e deu às Guerreiras do Hulk a vantagem para o jogo de volta, que acontece quarta-feira (31), em Manaus.
Vila Nova-ES 4 x 0 Ipatinga-MG
Outra goleada! Desta vez no Espírito Santo. A equipe da casa, o Vila Nova, marcou quatro gols em cima do Ipatinga, que terá a chance de reverter o placar quarta-feira (31), em Minas Gerais. As redes foram balançadas por Luana e Thaís.
Intercap-TO 0 x 3 São José-SP
São José foi o segundo a garantir a classificação para segunda fase. Com os três gols de diferença, a equipe de São Paulo não precisa do jogo de volta. As responsáveis pelo placar foram Yasmim, Alanna e Luize.
Porto Club-RO 1 x 1 Atlético-AC
Em Rondônia, outro empate. O Atlético conseguiu sair na frente, com Cleide, e marcar um gol fora de casa, mas no primeiro minuto do segundo tempo, Erika empatou para o Porto Club. Aos 17 da etapa final Rosane, do Porto, recebeu o segundo amarelo e foi expulsa. A decisão ficou para o jogo de volta, quarta (31), no Acre.
Complemento da primeira fase: 
Nesta quinta-feira (25), Oratório X Flamengo se enfrentam no Amapá. Santos X Mixto e Audax X Pinheirense completam os jogos de ida da primeira fase na próxima quarta-feira (31). 

domingo, 21 de agosto de 2016

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

I Copa de Futsal Feminino - Barra do Garças.





Parabéns Guerreiras do Brasil

A medalha não veio, mais todas lutaram muito e de foram brilhante, fica aqui os nossos agradecimentos por tudo que fizeram.







Valeu, guerreiras do Brasil!

Créditos: Ricardo Stuckert/ CBF
Encerrada a participação da Seleção Feminina nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Confederação Brasileira de Futebol agradece às atletas pelo talento, empenho e orgulho com que representaram as cores do nosso país. Embora a tão sonhada medalha não tenha sido conquistada, os exemplos de dedicação, companheirismo e perseverança que marcaram a caminhada desta equipe irão inspirar o trabalho em busca dos objetivos futuros.
Um reconhecimento também aos membros da Comissão Técnica, que não mediram esforços em busca do sonho da medalha de ouro e que trabalham, incessantemente, em um projeto de evolução do futebol feminino no Brasil. A construção deste processo, a partir da formação da Seleção Permanente, foi sempre marcado pela entrega e pelo comprometimento de todos.
Com certeza, as merecidas e reiteradas demonstrações de apoio e carinho recebidas da torcida brasileira, em todos os estádios por onde as guerreiras do Brasil passaram, serão o combustível para renovarmos nossas energias e trabalharmos cada vez mais.
Marco Polo Del Nero (presidente da CBF)




quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Brasil enfrenta Canadá na Arena Corinthians, em SP


Créditos: Ricardo Stuckert/ CBF
A Seleção Brasileira Feminina enfrenta o Canadá na sexta-feira (19) pela disputa da medalha de bronze dos Jogos Olímpicos Rio 2016. O confronto será às 13h, na Arena Corinthians, em São Paulo.
O sonho olímpico brasileiro ainda não acabou. Depois de lotar todos os estádios por onde passou – Nilton Santos, no Rio de Janeiro, Arena da Amazônia, em Manaus, Mineirão, em Belo Horizonte, e o Maracanã, no Rio de Janeiro –, as meninas do Brasil decidirão o terceiro lugar em São Paulo.
– Estamos muito chateados com a derrota, o que é normal, mas amanhã já vamos pensar no jogo contra o Canadá. Temos uma importante partida, pois subir ao pódio nos Jogos Olímpicos é uma honra – disse o técnico Vadão.
As duas seleções já se enfrentaram diversas vezes nos últimos anos. Em 2015, foram três confrontos: pelos Jogos Pan-Americanos e duas pelo Torneio Internacional de Natal, com três vitórias para a Seleção Brasileira. Neste ano, mais três jogos, pela Copa Algarve e dois amistosos: duas derrotas e uma vitória.
– Já jogamos contra muitas vezes. É um time muito competitivo, que conquistou bons resultados nessa competição. É uma equipe que busca o jogo mas se defende muito bem também – avaliou o treinador.

Fonte: http://selecao.cbf.com.br/noticias/selecao-feminina/brasil-enfrenta-canada-em-sao-paulo#.V7TWnRgrLbg

Tabela detalhada da Copa do Brasil Feminina


Créditos: Rafael Ribeiro / CBF
A Copa do Brasil de Futebol Feminino 2016 tem data marcada para começar. No dia 24 de agosto, a bola rola e vamos acompanhar as emoções de um dos campeonatos mais aguardados da modalidade. Ao todo, 13 partidas vão agitar a abertura do campeonato. Serão 32 equipes brigando pelo título. Toda a competição é disputada em formato mata-mata, com confrontos em partidas de ida e volta, valendo a regra do gol qualificado fora de casa como critério de desempate. Esse critério só não se aplica no caso de os times mandarem os jogos no mesmo estádio.  
Na primeira e segunda fases, o clube visitante que vencer a partida de ida por três gols ou mais de diferença, estará automaticamente classificado para a etapa seguinte. Nas semifinais, um sorteio público promovido pela CBF vai decidir os confrontos.  
A tabela detalhada da edição 2016 e o regulamento específico da competição estão no anexo abaixo.
Confira a tabela da primeira fase da Copa do Brasil de Futebol Feminino:
Vila Nova-ES x Ipatinga-MG
Ararangua-SC x Foz Cataratas-PR
Estância Velha-RS x Chapecoense-SC
Náutico-PE x Botafogo-PB
Boca Júnior-SE x São Francisco-BA
UDA-AL x Vitória-PE
Barcelona-RJ x Comercial-MS
Cresspom-DF x Aliança-GO
São Raimundo-RR x Iranduba-AM
União-RN x Caucaia-CE
JV Lideral-MA x Tiradentes-PI
Porto-RO x Atlético-AC
Intercap-TO x São José-SP
Oratório-AP x Flamengo-RJ
Santos-SP x Mixto-MT
Audax-SP x Pinheirense-PA
*As equipes da esquerda fazem o jogo de ida em casa

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Bruna Benites e o cenário perfeito para o ouro



Titular nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, Bruna Benites espera escrever uma história diferente na Seleção Brasileira Feminina neste ano. Para a zagueira, o cenário de agora não poderia ser melhor. Afinal, o Brasil é sede da maior competição esportiva do mundo.
– Quando a gente foi eliminada em Londres, eu já estava pensando aqui, porque acho que seria o cenário perfeito: dentro de casa, com o estádio lotado e ganhando uma medalha histórica. E que fique bem claro que, se nós ganharmos, essa medalha não é só nossa, vai ser para a população brasileira. Acho que a gente merece ter alegrias e ter esse reconhecimento. E merecemos tentar mudar a história do futebol feminino brasileiro – disse Bruna, em entrevista ao site da CBF para a série Papo Olímpico.
Aos 30 anos, Bruna Benites é uma das líderes da Seleção Feminina e está de volta ao grupo após ficar de fora da Copa do Mundo do Canadá e dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, ambos em 2015. Um mês antes do Mundial, a zagueira sofreu uma lesão no joelho e precisou operar. Escolhida pelo técnico Vadão como uma das 18 jogadoras que irão defender o Brasil na Rio 2016, Bruna não esconde a felicidade em estar recuperada e revela ansiedade para ver casa cheia nos jogos da Seleção.
– Ano passado, quando eu me machuquei um mês antes do Mundial, a única coisa que eu pensava era “não posso ficar fora da Olimpíada, não quero ficar fora”. É lógico que lamentei muito pelo Mundial, mas você ter a oportunidade de jogar uma competição do tamanho que é a Olimpíada dentro de casa, com toda a torcida assistindo, é muito gratificante. A gente sabe que, infelizmente, o futebol feminino ainda não tem um grande público dentro do Brasil. E eu tenho certeza que em uma competição grande como a Olimpíada é lógico que as pessoas vão querer ver a gente de perto e apoiar – contou a jogadora.


Assim como as experientes Marta, Cristiane e Formiga, Bruna Benites também é referência de liderança no time do técnico Vadão. A principal dica que a zagueira passa para o grupo é a concentração total na busca pela inédita medalha de ouro. Com os pés no chão, Bruna contou que conversa com as meninas sobre o “vislumbre” de viver na Vila Olímpica ao lado de grandes atletas de vários países.
– Uma coisa que temos conversado muito é a questão da gente estar muito vislumbrada com a competição, que é grande. Vão ter atletas de ponta, de vários países, pessoas que a gente admira pela TV que de repente estarão ali andando do seu lado. Só que não podemos esquecer nunca que nosso objetivo não é aquele, nosso objetivo é conquistar a medalha. É lógico que tudo isso é legal, um privilégio que nem todo atleta tem, porque não é todo atleta que é olímpico. Então o que tento deixar claro para elas é isso: primeiro vamos no nosso foco, tentar alcançar o que a gente quer, depois vamos ter todo o tempo do mundo para curtir tudo o que é a Olimpíada – revelou.
A Série Papo Olímpico conversou com jogadores convocados pelos técnicos Vadão e Rogério Micale para as Olimpíadas Rio 2016 e vai exibir todas as entrevistas até a estreia nos Jogos. Fique ligado nos bate-papos exclusivos aqui em www.cbf.com.br.
Fonte: http://selecao.cbf.com.br/noticias/todas/bruna-benites-e-o-cenario-perfeito-para-o-ouro#.V7IxThgrLbg

http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/08/15/formiga-diz-que-troca-ouro-por-espaco-para-mulheres-nos-grandes-clubes.htm


Fabio Aleixo/UOL



Pedro Ivo Almeida
Do UOL, no Rio de Janeiro

Na véspera da semifinal do Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro contra a Suécia, o técnico da seleção feminina, Vadão, fez críticas ao atual estágio do futebol feminino no Brasil. Para ele, a empolgação da torcida e a boa campanha em casa podem ajudar no desenvolvimento da modalidade no país.

Formiga diz que troca medalha por espaço para mulheres nos grandes clubes


Formiga diz que troca medalha por espaço para mulheres nos grandes clubes


Pedro Vilela/Getty Images
Formiga em jogo contra a Austráliaimagem: Pedro Vilela/Getty Images

Luis Augusto Simon
Do UOL, no Rio de Janeiro
Formiga sonha com o ouro olímpico desde 1996, quando, aos 18 anos, era uma garota entre feras. No caminho, até se tornar um "mito", como é chamada por garotas como a atacante Bia, foram dois bronzes e duas pratas conquistadas.